A importância de ressignificar o uso de dispositivos na educação para a formar jovens e crianças mais conscientes

    Celular e tablets hoje desempenham um papel fundamental no processo de aprendizagem, mas seu uso requer cuidados

    Ainda que diversas cidades do país estejam abrindo as escolas para receber alunos novamente depois de praticamente um ano longe delas por conta da pandemia, tecnologias seguem fazendo parte do cotidiano dos estudantes. Até mesmo porque as escolas estão limitadas a certa capacidade de alunos presentes e o restante permanece com as aulas à distância. Indiscutivelmente, computadores, celulares e tablets serviram como verdadeiras pontes entre alunos, professores e, sobretudo, o conhecimento. 

    Embora a geração Alpha, composta por crianças nascidas a partir de 2010 -estudantes do 4º ou 5º ano do Ensino Fundamental, por exemplo- já nascem inseridas em um cotidiano rodeado pela  tecnologia e demonstram maior facilidade e até mesmo habilidade em utilizar esses dispositivos, é necessário que haja maior cuidado por parte de seus responsáveis no que diz respeito ao conteúdo consumido ou gerado por elas nas redes. Já à escola, segundo a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), cabe promover o uso crítico, consciente e proativo da informação e da comunicação da sociedade conectada.

    É evidente que os alunos de hoje constroem novas relações com o meio – pessoas e informações – e, portanto, a partir disso, precisamos reestruturar o espaço e discutir novos formatos de educação, pois não faz mais sentido que o aluno esteja passivo diante do conteúdo, enfileirado e apenas ouvindo o que o professor tem a dizer. Para João Luis Machado, gestor acadêmico da rede Luminova, é importante que o aluno seja estimulado a desenvolver a autonomia. “O processo de aprendizagem é mais completo com o uso de tecnologias, mas a ideia principal é que o aluno assuma protagonismo, busque por si só resoluções e informações.”, comenta o executivo. 

    Por outro lado, o uso frequente de celulares e tablets, consumo de internet e mídias sociais traz luz para outros debates importantes no convívio em sociedade. Bullying, agressão ou comportamentos hostis, por exemplo, também estão presentes em ambientes digitais. Combater isso é tão importante quanto combatê-lo no ambiente escolar. “É esse o cuidado que a escola deve tomar, prezando sempre pela qualidade de informação, que está diretamente atrelado à leitura crítica, para que, dessa forma, crianças e jovens filtrem o que há de melhor e, com isso, tomem decisões coerentes e responsáveis e levem isso para a vida, tanto dentro, quanto fora da escola”, finaliza Machado.

    Sobre Luminova

    Com o objetivo de democratizar o acesso à educação de qualidade e promover o crescimento humano e ascensão social, a Luminova, rede de escolas do grupo SEB -Sistema Educacional Brasileiro- inaugurou no final de 2018 as primeiras unidades, em São Paulo e Sorocaba. Projetando expansão por meio de franquias e voltada para os públicos das classes B e C, que representam um contingente de cerca de 42 milhões de crianças e jovens em idade escolar, a Luminova achou um terreno fértil para investir, já que apenas 15% da rede privada atende tal fatia. A mensalidade low cost -de baixo custo-, é possível devido à alta eficiência na gestão escolar, que otimiza tempo, trabalho e estrutura física. Para saber mais, acesse: www.escolaluminova.com.br

    Para receber notícias no seu WhatsApp clique aqui: https://chat.whatsapp.com/FgPpCUEUL2n8NjHXAMbJKn

    E para receber notícias da nossa página no Facebook clique aqui: https://www.facebook.com/jornaloespeto