Rede de Atenção Psicossocial de Mariana realiza ações sobre a Luta Antimanicomial

    A Prefeitura de Mariana, por meio da Secretaria de Saúde, em parceria com a Rede de Atenção Psicossocial (RAPS) realizou na última semana ações em comemoração ao Dia da Luta Antimanicomial.

    Para receber notícias no seu WhatsApp clique aqui

    E para receber notícias da nossa página no Facebook

    Todos os anos, no dia 18 maio, é realizado diversas atividades que reivindicam os cuidados que devem acontecer com os usuários, em liberdade, fora das grades dos manicômios e das camisas de forças. A semana foi marcada com programações como live, entrevistas, divulgação de podcast, entre outros.

    Devido a pandemia, um ato simbólico foi feito para marcar as lutas do movimento. O evento aconteceu em frente ao RAPS. Os usuários do serviço foram às ruas com cartazes e gritos manifestos, para reivindicar e lembrar dos cuidados que devem acontecer em liberdade, fora dos muros das prisões, dos hospícios.

    “Esta é uma data de celebração da possibilidade de vida fora do hospício para pessoas que foram privadas de liberdade por muitos anos, considero que o ato foi extremamente necessário e teve o intuito de incitar interesse nas pessoas que por ali passavam”, comentou a estudante de psicologia, Laura Rolim.

    VI seminário de Saúde Mental: O evento acontece desde 2015 em Mariana, porém, devido a pandemia, a ação aconteceu de forma online. Na última sexta (21), uma live foi realizada para continuar debatendo sobre o tema. A discussão contou com a presença da psicóloga Karen Rafaela Santos, da psiquiatra Ana Marta Lobosque e da trabalhadora da Rede municipal de Saúde Mental, de Belo Horizonte, Anna Laura de Almeida.

    O objetivo foi levar as discussões acerca do tema e mostrar para as pessoas o que foram os manicômios e qual foi a origem do estigma da loucura, com a finalidade de fazer com que as pessoas entendam sobre o assunto essa situação não se repita em nenhuma geração futura. A principal causa do movimento é a reabilitação psicossocial empática, humana e livre de cada indivíduo, demonstrando que não é uma luta não só da RAPS, mas de todos nós.

    Foto: Lívia Ferreira–

    Prefeitura de Mariana