Minas está em alto risco de retorno de doenças evitáveis por vacinas
    Comissão de Educação, Ciência e Tecnologia debate a importância da campanha de vacinação nas escolas estaduais / Arquivo ALMG – Foto: Guilherme Bergamini

    Campanhas de Sarampo, Influenza e Poliomielite tiveram desempenho abaixo do esperado e crianças mineiras estão desprotegidas.


    Para receber notícias no seu WhatsApp clique aqui

    E para receber notícias da nossa página no Facebook
    Se inscreva no nosso canal do you tube para receber nossas reportagens, clique aqui

    Minas Gerais corre sério risco de ver o retorno de doenças como a Poliomielite entre as crianças da maior parte de seus municípios. A constatação foi apresentada durante audiência pública na Comissão de Educação, Ciencia e Tecnologia da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) nesta quarta-feira (9/11/22) e acende um alerta entre especialistas de saúde de todo o estado.

    A diretora de Vigilância de Agravos Transmissíveis da Secretaria de Estado de Saúde, Marcela Lencine Ferraz, apresentou dados e ressaltou que 765 municípios mineiros, 89% do total, estão com a classificação de risco alta para a reintrodução de doenças imunopreviníveis, que podem ser evitadas com a vacinação, como a Poliomielite, Sarampo e Influenza.

    “Não atingimos nenhuma das metas nacionais nas campanhas de vacinação desse ano. Temos um contingente importante de crianças que precisam ser vacinadas. Contra a Poliomielite tivemos 84%, a meta era 96%. Parece uma diferença pequena, mas esse passivo vai acumulando ao longo dos anos e desde 2016 estamos tendo quedas muito expressivas. O risco de recrudescimento de doenças que estavam sob controle é muito real”., aponta.

    Ela deu destaque também para a baixa vacinação entre adolescentes, que não costumam frequentar os serviços de saúde. “No Sistema Único de Saúde (SUS) temos sete vacinas disponíveis para adolescentes, mas muitos familiares não estão cientes da necessidade de vacinação. Precisam ser adotadas estratégias mais amplas. As campanhas de vacinação em ambientes escolares têm tido bons resultados e penso que se conseguíssemos ampliar isso, por meio do Saúde na Escola, seria importantíssimo”, completa.

    Meningite C é objetivo da vez
    Segundo a diretora, foram realizadas oficinas e discussões ao longo do ano para tentar entender os problemas em vários municípios. E o governo está ampliando a vacinação para Meningite C em Minas Gerais, para população entre 16 e 30 anos, além de trabalhadores da saúde, professores e trabalhadores da educação superior.

    A ampliação do público-alvo tem como objetivo aumentar a proteção contra a doença, que, desde 2017, não atinge a meta de cobertura.

    Cobertura só cai
    Em todo o país, a situação da cobertura vacinal é classificada por especialistas como calamitosa. O médico e doutor em Ciências, Akira Homma, que participou de Estudos Epidemiológicos e Virológicos de Enterovirus, apoiando Campanhas de Vacinações da Poliomielite, destacou que a cobertura vacinal brasileira está a mais baixa em três décadas e que o Brasil ocupa o ranking dos dez países no mundo com a maior queda, ao lado de Angola.

    “É a maior queda mundial de imunização infantil em uma geração e os efeitos serão medidos em vidas”
    Akira Homma
    Médico e doutor em Ciências
    “No ano passado, 26% das crianças brasileiras não receberam nenhuma vacina, nem uma única dose de nenhuma das 18 vacinas disponíveis pelo SUS. É a maior queda mundial de imunização infantil em uma geração e os efeitos serão medidos em vidas. É com esse crescente número de crianças desprotegidas que teremos de lidar nos próximos anos”, afirma.

    Vacinar para não voltar
    O médico apresentou a campanha “Vacinar para Não Voltar”, da Sociedade Brasileira de Imunizações, do Programa Nacional de Imunizações e do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos da Fundação Oswaldo Cruz (Bio-Manguinhos/Fiocruz).

    Segundo ele, tem sido feitas ações piloto em estados brasileiros, como o Amapá, com a finalidade de integrar ações para a elaboração de planos municipais para a reconquista de altas coberturas vacinais.

    “Tivemos bons resultados nos municípios após a mobilização em três eixos: aumentar o acesso às vacinas; fazer diagnósticos situacionais dos sistemas de informação para integração; e a escuta e diálogo com a população, criando rede de informação e solidariedade com profissionais”, acresenta Akira Homma.

    “O desabastecimento de vacinas, o negacionismo, o funcionamento dos postos apenas em horário comercial, o registro das vacinas em sistemas que não se comunicam e a má gestão da atenção primária de saúde: todos são graves motivos para a baixa cobertura vacinal”, afirmou.

    A defensora pública da Defensoria Especializada na Infância e Juventude da Defensoria Pública de Minas Gerais (DPMG), Daniele Bellettato Nesrala, destacou que os pais não têm o direito de privarem seus filhos da vacinação, que é obrigatória.

    “Para crianças e adolescentes não é facultativo, está no Estatuto da Criança e do Adolescente e precisa ser cumprido. E os pais que não cumprem devem ser processados. Essa recusa dos pais precisa ser comunicada ao conselho tutelar pelas escolas, para sensibilização das famílias, mas professores e conselheiros tem tido dificuldade em fazer o seu trabalho. Precisamos reforçar que não é opção vacinar crianças”, afirmou.

    Cerco aos negacionistas
    Mãe de aluno da rede privada e membro do Movimento Coletivo Mães Pró Vacina, Tatiana Oyagawa pediu que as escolas públicas e privadas façam busca ativa e cobrem as carteiras de vacinação dos pais, direcionando os negacionistas para palestras e atividades educativas.

    “A Poliomielite causa problemas e dores nas articulações; pé torto, porque o calcanhar não encosta no chão, o diferente crescimento das pernas, a paralisia de músculos, dificuldade de falar, atrofia muscular e hipersensibilidade ao toque. Não é possível que algum pai em sã consciência queira que o filho passe o resto da vida enfrentando tudo isso, que é perfeitamente evitável com a vacinação”, completou.

    “A ciência foi tratada como algo ideológico e estamos vivendo um período grave de negacionismo”
    Beatriz Cerqueira
    Dep. Beatriz Cerqueira
    A deputada Beatriz Cerqueira (PT), presidente da Comissão e autora do requerimento para a realização da reunião, deu destaque a dois projetos de lei que nasceram de discussões em reunião anterior sobre vacinação: o 3.562/22, que institui a campanha “Quem Ama Vacina”, e o 3.524/22, que autoriza o Estado a exigir o comprovante ou carteira de vacinação contra a Covid-19 dos alunos em todas as escolas públicas e privadas da educação básica.

    “A ciência foi tratada como algo ideológico e estamos vivendo um período grave de negacionismo, como se a ciência fosse uma opinião e a consequência disso é que todas as campanhas de vacinação ficaram comprometidas. Precisamos vincular a escola nesse processo e ela tem de atuar como mais um instrumento de proteção à criança”, completou. Fonte: ALMG.